terça-feira, 7 de abril de 2009

talvez


Luto para sobreviver à noite depois de ti. Para aguentar a presença do sol em ausências tuas. Suportar a inquietude suplicante do teu retorno. Quero desafiar a comodidade e ouvir o que os teus silêncios me contam, todo o significado de me seres dor e cura. Cala-me os gestos hesitantes de te querer e deixa-me saber o que é ter todo o universo nas mãos apenas por te guardar em mim. Preciso que fales agora.

'um dia restarás apenas tu.
tu ao longe, tu na proximidade mais longínqua que poderei conhecer.'

Sem comentários: