domingo, 14 de novembro de 2010

Cada vez me custa mais encaixar-me. Sentir-me 100% bem rodeada das pessoas que fazem parte da minha vida há muito tempo, ou pessoas que simplesmente estão no mesmo sítio que eu ou que se dão com as mesmas pessoas que eu. Há qualquer coisa em mim que está a falhar.

Este Verão conheci duas raparigas fantásticas, a Morce e a Susana. Felizmente a Morce agora está pertinho de mim, mas eu MORRO de saudades da Susana. Aliás, ela foi das poucas pessoas que me pôs suficientemente à vontade para ser eu própria com pessoas que conhecia há poucos dias. O que eu me ri com ela... Sentia-me fantástica com as nossas gargalhadas, com as nossas intermináveis conversas acompanhadas pelas infindáveis acácias. Foi das poucas pessoas que conseguiu que deixasse de ser um sacrifício levantar-me às 7h da manhã, durante as férias, para ir trabalhar para o meio de nenhures.

A Inês Frazão é outra das poucas peças com quem me sinto bastante à vontade, e tenho uma boa dose de riso. É um dos meus tipos de pessoa. Simples, com um óptimo coração e grande cabecinha, dedicada, valoriza o que merece ser valorizado, descontraída, sem medo de parecer ridícula (porque é a sermos ridículas que nos divertimos mais), o meu tipo de sentido de humor, nada fútil ou superficial, sensível, paciente e boa ouvinte. Uma grande amiga para quem tem a sorte de a ter como amiga. Sem dúvida, uma das minhas melhores amigas.

A Inês Alves, a Pipa, a Adriana, a Sofia e a Madalena também fazem parte das minhas melhores amigas, mas já não são bem.. como é que eu hei-de dizer.. O que nos une é a amizade, o companheirismo, o sentimento. Tudo o que já fizemos umas pelas outras. Algumas coisas em comum. São as minhas meninas, mas ao mesmo tempo, são pessoas diferentes, com formas de ver a vida diferentes, que levam as coisas de forma diferente. E atenção, que não há nada de mal nisso. 

Por exemplo, a Pipa é uma tiazoca xD Se eu já não a conhecesse, acho que não a queria conhecer devido à primeira impressão ou simplesmente porque não temos nada a ver. Ela é toda festas, toda moda, toda gossip e eu não tenho pachorra para isso. Não é de todo, o meu estilo de vida. Somos amigas, daquelas que estão sempre lá para tudo, que podemos telefonar a qualquer hora para desabafar, combinar almoços para estar horas a pôr a conversa em dia e estar presente nos momentos importantes. Mas se fosse para conviver com ela no mesmo grupo, todos os dias.. Não funcionava. Temos gostos muito diferentes, nunca nos sentiríamos no nosso habitat natural por assim dizer... E ainda assim, no 9º ano éramos do mesmo grupo! É diferente.

Não ando à procura de pessoas iguais a mim, credo não. Neste momento procuro pessoas que possa admirar, que possa aprender com elas, que me dêem novas visões, novos horizontes. Porque com estas meninas, já aprendi muito, mas agora está na hora de descobrir coisas completamente diferentes.

Desde que o encontrei, que toda a minha vida mudou, estou a aprender tanto e a descobrir tanto... Muito embora ele pouco ou nada aprenda comigo. Adoro conhecer pessoas únicas, diferentes de todas as outras, de "edição limitada".

E pronto, é isso.

Sem comentários: