terça-feira, 12 de abril de 2011


Por muito que ache que uma certa pessoa não mereça, hoje pus-me no lugar dela. Eu não a conheço bem e ela não me conhece de todo. Nem nenhuma tem interesse em conhecer, acho eu... Mas eu até tenho interesse em acabar com os conflitos que tenho. O problema é que, para isso, vou ter de passar por cima de quem eu gosto, numa tentativa de não piorar. O problema é que, por muito boas que sejam as minhas intenções (até porque estou numa de estar em paz com tudo e todos), pode sair daqui ainda mais merda. É este o problema de pensar com o coração. O problema de querer resolver as coisas com as minhas próprias mãos, seja porque os outros não fazem nada e deviam, seja porque são os meus problemas e devia ser eu a resolvê-los. 

Apetece-me pegar no telefone e marcar nove números. Falar, abertamente. Mas é dar um tiro no escuro que pode trazer consequências muito graves. Sempre achei que estas questões fossem fáceis. Era ir e pronto. Tudo pela verdade e pela paz. O problema é que isto pode é trazer ainda mais desassossego. Não é algo que se possa esquecer, porque depois a outra pessoa fica com trunfos. Talvez suficientes para manipular quem quiser. 

Estou farta, fartinha de me sentir presa. "As acções ficam com quem as pratica", já diz a minha professora de Português. O problema, é que as acções não são sinónimo de intenções. E eu sinto-me péssima com o que queria dizer, por vários motivos. Tudo depende do outro lado, e é um lado completamente imprevisível...

PRECISO DE AJUDA!

2 comentários:

Anónimo disse...

se aquilo de que estás a falar é violência física e psicológica, é algo muito complicado.

Presenciei de perto o que é viver segundo esse terror e na altura certamente gostaria que pudesse ter sido evitado e que alguém tivesse estendido a mão mais cedo, e ajudassem uma mulher com dois filhos a sair de um lar complicado.

Por outro lado, bem sabemos que a intromissão na vida privada de alguém nunca é fácil e quando se tratam de assuntos delicados muito menos. Provavelmente essa rapariga irá chatear-se contigo, ficar furiosa, as consequências dos actos que tomares certamente recairão em ti mas em última análise, o que lhe está a acontecer é um crime. E ainda que ela possa não compreender a dimensão disso mesmo, talvez seja mesmo necessário colocar as coisas em cima da mesa. Porque quem o faz uma vez faz uma segunda e uma terceira. E não é um engano de um coitadinho. É cobardia pura e dura.

E daqui a uns anos ela agradecer-te-á por isso. Talvez não directamente, mas no fundo de si.

Se a situação for diferente, então desculpa-me mas foi isso que percepcionei quando li os teus últimos posts.

Marga disse...

Obrigada pelo comentário :) Sim, tens toda a razão, mas este post não tem a ver com o post de baixo :) É uma situação diferente.

No entanto, sim, já estive bem mais longe de me intrometer. Não sei bem do que estou à espera.

É que aquilo não é homem nem amostra de homem :/