sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

Quero escrever mas tenho o coração calado. Quero anotar tudo o que fiz em tempos de silêncio. Mas cessam-se-me as palavras, abafadas pelo barulho dos meus pensamentos. Quero mexer-me mas a minha alma está inerte, sem vontade de me alegrar com os meus pequenos feitos. Quero aprender, mas falta-me a vontade. Há um mês que me ausentei daqui e do mundo, mas ninguém reparou no quão distante eu estava. Fingi bem o que odeio fingir. Senti tudo e estou vazia. Só queria que algo me despertasse, me desse novo alento ou entusiasmo. Resigno-me à mera (in)existência e deito tudo a perder. Tudo me é familiar e estranho ao mesmo tempo e eu quero mistério, o desconhecido, a liberdade. Mas afinal estou completamente perdida, sem saber que caminhos percorrer por este mundo fora. Saio de mim para me encontrar. Fujo do conforto para me sentir viva porque a rotina é morrer lentamente. Não sei o que quero, não quero nada! Quero a solidão e a tristeza, a raiva de quem se deixou a si mesma à toa. Perdi a luz ao fundo do túnel porque escolhi largar-me. Deixo-me porque já nada faz sentido, já nada tem sentido. 

Quero viver.

2 comentários:

Mundos Mudos disse...

Não acredito que este texto foi escrito pela Margarida que inunda este blog de pensamentos positivos e experiências fascinantes. Acredito que estejas a passar uma fase menos boa, mas que rapidamente vais sair dela. Por vezes precisamos um pouco do escuro para vermos a luz com outros olhos. Leva o teu tempo a encontrares o teu caminho, tenho a certeza de que no final, será o certo. Tens muito, tanto, para viver daqui para a frente. Alguma coisa, tens o meu número. Um grande beijinho, um abraço e um sorriso.

Márcia V. disse...

Concordo com o comentário deixando anteriormente,custa me um pouco acreditar que este post foi escrito por ti,que tens sempre algo positivo para dizer.Não sei o que se passa mas de qualquer maneira espero que seja uma fase que passe em breve.