sábado, 1 de fevereiro de 2014

Um dia

Um dia vais perceber que é o teu orgulho que te leva a perder as pessoas do teu passado, em vez de mantê-las no teu presente. Vais perceber que a porrada que levei da vida antes de te conhecer ensinou-me a não ceder a chantagens psicológicas, por mais que aches que não as estás a fazer. E que eu nunca te fechei a porta, nem nunca te disse "nunca mais". 

Um dia vais perceber que eu não deixei de gostar de ti, mas que deixei de ver um futuro em nós pela maneira como as coisas estavam. Um dia vais perceber que nunca te poderás queixar de falta de clareza, falta de sinceridade, falta de honestidade, falta de comunicação da minha parte. Vais perceber que eu fiz de tudo para que abrisses os olhos para o que estavas a fazer e não os desviasses do cerne da questão na tua cómoda situação. Que não foi por falta de aviso, não foi por falta de conversas, não foi por falta de nada. 

Um dias vais perceber que estás a cometer o erro da tua vida ao deliberadamente ausentares-te dessa maneira, de me ignorares dessa maneira, de completamente reduzires toda a nossa relação a cinzas assim. Porque apesar de ter sido eu a pôr um ponto final, fi-lo porque tu, com a desculpa de seres distraído e de não massacrares a tua cabeça a reflectir, repetiste erros incessantemente e sem saberes puseste-me a chorar mais vezes do que imaginas. É verdade que estiveste lá e que foste a melhor relação que já tive, mas quando essa relação se transforma em possessão e exigências, deteriora-se. E ao deteriorar-se, sufoca, mata. 

Um dia vais perceber que pus um ponto final porque tenho um imenso respeito por ti, facto que tu nunca deste conta. Sempre fui transparente, sempre te contei tudo e sempre esforcei-me ao máximo para crescer e aprender a lidar contigo. Tu, por sua vez, deixaste-te ficar, achando que não precisavas mais de crescer, mas olha... Nunca se deve parar de crescer e aprender. 

Um dia, insisto, vais perceber que estás a cometer o erro da tua vida ao deitares tudo o que resta da nossa relação a perder. Ao seres mais uma Matilde da minha vida. Se não te posso dar o que tu queres, então tu simplesmente ignorarás a minha existência como tens feito ultimamente. E não me venhas com merdas de que é para te protegeres porque tem sempre havido preocupação em estares bem, em pensar em cada coisa que digo e faço para não achares que estou a dar esperanças inúteis ou a magoar um coração de que sempre cuidei e tencionava continuar a cuidar.

Um dia vais perceber que as palavras que escrevo nunca foram escritas com ausência de lágrimas. Que haveriam sempre mais páginas para escrever no livro em branco. 

Um dia vais perceber que eu não terminei a relação por gostar de outra pessoa, por querer vida de solteira ou por precisar de perder a cabeça sem arrependimentos. Eu continuo a mesma pessoa, continuo a dedicar-me ao que sempre me dediquei, continuo a gostar de conhecer pessoas sem segundas intenções e coisas novas para aprender e continuo a querer contar-te tudo o que tenho vivido. Porque olha, nunca te menti quando disse que eras o meu melhor amigo, quando disse que sempre quereria contar-te tudo. Mas tu fechaste-te em copas. E fechaste-te em copas quando ainda estávamos juntos. Deixaste de saber ser meu amigo, de saber partilhar as coisas de mim. Estavas mais preocupado com o que eu não te dava.

E agora, és tu que não dás nada. A quem para ti deixei de ser alguma coisa. Um passado para esquecer. Uma existência para ignorar. Uma pessoa que entrou e foi expulsa da tua vida. Alguém que queres fazer sentir culpada por ter feito o mais correcto. Mas sabes, dos meus valores e princípios nunca prescindi nem prescindirei. E foram eles que me levaram a tomar a melhor decisão para ambos. Porque, apesar de não acreditares, foi a melhor solução. De outra maneira, levar-nos-íamos a odiar-nos e eu não te quero odiar. Não quero odiar nem ignorar a pessoa que me fez mais feliz. 

Não vale a pena tentares mexer com o meu psicológico, não vale a pena tentares atirar as culpas para cima de mim e dizer que a minha honestidade é uma falta de respeito. Se calhar passou a ser uma falta de respeito para ti, a partir do momento em que deixaste de reconhecer a pessoa que sempre fui e que ouviste coisas que não te importarias de ouvir de um amigo teu, mas que por ser eu, a pessoa que ousou acabar contigo, já é uma falta de respeito. 

Mal sabes tu, o erro que estás a cometer ao afastar-me definitivamente de ti. Ao deitar tudo a perder. Ao trancares todas as portas e mais algumas. Eu não quero que andes atrás de mim, sempre te disse isso. Só queria não ser ignorada, como se de uma desconhecida me tratasse.

Mas um dia... Um dia vais perceber porque é que me perdeste.
Até um dia.

2 comentários:

Márcia V. disse...

Esse dia pode demorar mas é bom que chegue,mas mais importante que isso parece ser o dia em que percebeste que não podias continuar nessa relação.

Frutas disse...

Muita gente para dar valor tem que perder. Just keep calm and carry on